NOTÍCIAS

Publicado em 09/10/2019

CT Saúde

Coordenadora do Comitê Técnico Saúde fala dos próximos planos de trabalho

Em entrevista exclusiva, a coordenadora do CT Saúde, Glace Carvas, fala do trabalho desenvolvido pelo grupo e a dinâmica implantada neste ano. Ela aponta os temas que serão debatidos neste ano, como provisões e os princípios e estimação de PEONA

 

 

 

Quais os objetivos do Comitê para este ciclo?
O principal objetivo é agregar e envolver os atuários que atuam no segmento de saúde para tornarem-se membros mais ativos do Instituto. Já no passado havíamos percebido que o grupo que se reunia no CT sempre saia enriquecido com os debates de alto nível e entendemos que essa oportunidade não deveria ficar restrita a apenas dez, que é o número máximo de titulares.

Assim, o CT sempre aceitou mais participantes na modalidade ouvintes, mas que, na prática, podem participar igualmente do debate, troca de ideias e atualizações sobre o segmento. Em 2019, com a nova Diretoria, fizemos ampla divulgação desse modelo e acesso virtual que o IBA agora dispõe – e isso tem sido um canal fundamental para conectar-nos com a comunidade de norte a sul do país. 

Com mais participação dos atuários tem sido possível o desenvolvimento técnico dos princípios atuariais para a prática da profissão na saúde suplementar. São várias iniciativas de construção de princípios, referencias, e orientações acontecendo de forma simultânea, e isso só está sendo possível como consequência desse incrível engajamento da comunidade. 

 

Quais devem ser os temas a serem debatidos?

A primeira prioridade foi finalizar um trabalho que já havíamos iniciado em anos anteriores e foi concluída com a publicação do CPA 10, o primeiro CPA voltado para a área de saúde. Provisões é um tema amplo na atuação profissional do atuário e merecerá mais do que um CPA. O primeiro dessa série deve ser o que trata dos princípios para estimação de PEONA.

 

Como os atuários podem contribuir com este Comitê Técnico?

Todo atuário MIBA ou AIBA que atua no segmento de saúde é bem-vindo a se engajar, seja participando das reuniões bimestrais do Comitê Técnico que faz o acompanhamento dos grupos de trabalho e aprova os documentos produzidos, ou participando dos grupos de trabalho. Fazer parte de algo dessa magnitude é uma experiência de vida que o profissional levará para sempre em sua carreira. 

Além do amadurecimento de seus conceitos técnicos, o debate de alto nível com atuários que têm diferentes experiências e histórias para compartilhar é muito enriquecedor. Contribuir na produção desses documentos é tomar parte do amadurecimento da profissão, é algo para se orgulhar por toda sua vida. Para entrar nos grupos de trabalho e fazer parte do CT Saúde basta clicar nesse link e preencher seus dados de contato (CLIQUE AQUI)

 

“Participar dos grupos de discussão ou acompanhar os movimentos do CT Saúde é um trabalho voluntário e não há remuneração. É um grupo de pessoas com um tema em comum, imbuídas do espírito de construir um ambiente melhor para sua profissão. Sabemos que não é fácil conciliar carreira, vida pessoal, estudos, filhos, família e ainda dedicar tempo para alguma causa. Mas se você sempre quis fazer um trabalho voluntário e te faltava algo que fizesse sentido e usasse suas habilidades, fica o convite, venha fazer parte da consolidação da profissão do atuário”.

Glace Carvas, coordenadora do CT Saúde do IBA  

 

 

 

Para viabilizar tudo esse ano também, o Comitê Técnico começou a utilizar outras ferramentas que permitem mais colaboração. “Tudo começa com o acesso viabilizado via formulário, divulgado pelo IBA em seu site. Essa é peça chave para viabilizar o acesso dos interessados”, argumenta Glace.

Ela explica que a organização dos e-mails é feita através do google groups. Esta ferramenta garante que todos os e-mails cadastrados (são mais de 80) sempre recebam as comunicações do CT, o que facilita falar com todos participantes, compartilhando conteúdos de forma simultânea;

O Comitê também tem feito uso da sala virtual para reuniões, viabilizando a participação dos que não moram no Rio de Janeiro participar, sem custo adicional. “Com pontos de encontro em cidades com mais de um atuário viabilizamos a conexão com diferentes cidades e ao mesmo tempo fazemos network e contato pessoal com colegas que estão na mesma cidade”, aponta

Outra ferramenta muito viável para a construção de documentos de forma colaborativa utilizada é o Google Drive. “A partir deste recurso, passamos a construir documentos e fazer revisões de forma online e totalmente colaborativa. É incrível o que a tecnologia pode fazer por nós hoje em dia. Vem participar! Venha com a gente fazer o nosso IBA”, conclui